Ouvindo a Deus no deserto – Parte 2

Ouvindo a Deus no deserto – Parte 2

Site Deserto

Deserto não é sinônimo de derrota para ninguém que tem o chamado de Deus. Deserto é lugar de formação de caráter, formação de propósitos e objetivos. Os propósitos do coração de Deus são maiores do que aqueles que qualquer homem possa projetar. Precisamos ter essa consciência, porque assim deixaremos que o Senhor nos leve por onde Ele quiser.

O Senhor tirou Moisés dos palácios do Egito e o lançou no deserto de Midiã para tratar o seu coração e o fez retornar ao Egito para resgatar Seu povo. Ora, se Deus é o Todo-Poderoso, Ele não poderia fazê-los sumir do Egito e aparecer diretamente na terra prometida? Sim, mas eles tiveram que atravessar o deserto, porque o coração do povo precisava ser tratado (Deuteronômio 8).

O novo de Deus na nossa vida não pode ter a forma do velho. É por isso que Ele precisa quebrar a forma velha e fazer uma forma nova para que o novo seja feito como Ele sonhou e desejou. Assim será na sua vida. Desprenda-se da forma velha e deixe Deus fazer o novo em você, pois o novo é mais precioso, mais poderoso, mais especial.

Deus também levou Seu Filho para o deserto. O texto de Mateus 4 diz que depois do batismo, o Espírito Santo o conduz ao deserto para ser tentado pelo diabo. Você poderia perguntar: Que pai desnaturado é esse, que leva o filho ao deserto? Essa é a leitura comum, que muitos fazem. Mas, a leitura correta é: Deus é tão tremendo, acredita tanto nos Seus filhos que é capaz de pegá-los pela mão para atravessarem um deserto, mesmo sabendo que Satanás está lá com todas as armadilhas.

Filhos de Deus não foram feitos para caírem em armadilhas malignas. Não foram feitos para perecerem no deserto. Nós estávamos na velha vida e Deus nos levou para a nova vida. Esse período de reconstrução é um deserto. E Deus sempre lhe dá o escape para vencer. Conheça algumas percepções que precisamos ter para vencer o deserto.

  1. Quem coloca filho de Deus no deserto é o próprio Deus

A primeira percepção que devemos ter acerca do deserto é: Quando somos filhos de Deus, quem nos coloca no deserto é o próprio Deus. É Deus quem o leva para o deserto, porque o diabo não manda nem conduz vida de filho de Deus para lugar nenhum. Em filho de Deus, quem manda é Deus! Se precisarmos de tratamento, Ele vai nos tratar. Deus não quer proteger as coisas ruins que estão dentro de você. Ele quer tratá-lo e o fará mesmo que tenha que colocá-lo no deserto. Uma certeza, porém, você precisa ter: No deserto, o Senhor está com você em todos os momentos.

  1. Deserto é lugar para sermos provados e aprovados

Devemos ter também a compreensão de que deserto é um lugar que Deus escolheu para sermos provados e aprovados. E essa notícia é péssima para o diabo e não para você. Deus envia Seu filho para o deserto para dizer: Vou te consumir, Satanás. O diabo prova que filho de Deus tem natureza de Deus e isso é muito amargo para o diabo. Então, quando você entrar no deserto, pule, sorria e grite: Diabo, você está perdido! Você vai me tentar, mas eu serei aprovado! Quando Jesus entrou no deserto, mais uma sentença de derrota estava estabelecida para o diabo. Deserto é o lugar que Deus escolheu para que Seus filhos sejam provados e aprovados!

Qual é a base da pergunta de satanás para Jesus? “Se és filho de Deus…” Quem é que vence o deserto? Filho de Deus! Filho de Deus tem um destino: vencer no deserto. O deserto serve tão-somente para atestar a nossa natureza. Se não é filho, perece vergonhosamente. Se é filho, Satanás vai amargar uma derrota, pois vai provar e não vai gostar do que provou. Ao identificar um deserto, diga para o diabo: Você está perdido, porque eu vou vencer e eu vou provar que sou filho de Deus.

  1. O jejum o ajuda a vencer o deserto

Existe um elemento que o ajuda a vencer o deserto: jejum. Jesus, no deserto, estava jejuando. Por quê? Porque ninguém vence o deserto cheio de si. Ninguém vence o deserto cheio de carnalidade. Só vence o deserto aquele que se esvazia de si mesmo para receber o conteúdo de Deus. É quando você vive debaixo do seguinte princípio: eu não quero viver por mim mesmo, mas eu quero que Cristo viva em mim (Gálatas 2:20).

  1. O inimigo atacará com grandes ardis quando você estiver próximo da vitória

A Bíblia diz que Jesus jejuou por quarenta dias e, ao final, teve fome (Mateus 4:2). Neste momento, surge o tentador. Parece até que é uma regra espiritual: quando estamos perto da vitória, surge algo ruim. Mas, isso atesta que você precisa de um pouco mais de tratamento. Isso porque ninguém é aprovado por Conselho de Classe no deserto. No reino espiritual, não há como você ganhar alguns décimos “de graça”, porque tem um bom comportamento ou é esforçado. Deus quer que você passe com nota máxima. Ou é aprovado, ou terá que enfrentar o deserto novamente. Deus não vai aliviar o deserto para você, porque desertos não vencidos são desertos repetidos. Há uma postura no deserto para vencer: Seguir Jesus, buscar primeiro o Reino de Deus (Mateus 6:33). Não dá para vencer deserto cheio de si, com maledicência e irritação. Decida por seguir a Jesus em qualquer situação. Quando as lutas estiverem grandes demais, tenha a certeza de que a vitória está chegando. Não tire os olhos de Deus, não tire os olhos da promessa, fique firme, submeta-se a Deus, resista ao diabo e ele fugirá de você.

  1. O inimigo o atacará quando perceber que você está profundamente desejoso ou extremamente necessitado

Sentimento de necessidade, na maioria das vezes, é justificado por Satanás. A ansiedade de ter as coisas leva à precipitação, a precipitação leva a atitudes erradas e atitudes erradas levam à derrota. É todo o esquema que o diabo monta para derrotar você no deserto. Satanás olhou Jesus aos 40 dias de jejum e pensou: É agora que ele vai fazer qualquer coisa para comer. Jesus estava no extremo do Seu limite, sentindo a fome que mata… O diabo sabia disso e aproveitou o momento de grande necessidade para tentar Jesus. Satanás mostra as pedras e testa Jesus dizendo: Se Tu és filho de Deus, transforma pedras em pão. Provavelmente Jesus imaginou aquele pão quentinho, sentiu aquele cheirinho gostoso de pão que terminou de assar. Mas, Jesus lhe respondeu: “Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus.” (Mateus 4:4). Foi um a zero para Jesus. Filho de Deus não se deixa corromper. Mesmo em meio à necessidade mais profunda, filho de Deus responde: Nem só de pão viverá o homem.

Continua…

Veja:  Parte 01

2 thoughts on “Ouvindo a Deus no deserto – Parte 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *