As Máscaras, o discurso político e Governo do Justo

Por: Marcel Alexandre
A máscara não é necessariamente o que esconde a realidade. Ela é também o que define o ser em sua perenidade, em sua imutável essência. A mascarata é símbolo de identificação, a ponto de nela se confundirem o ser e o parecer, a pessoa e a personagem tal como um teatro. Assim, cada um é para o outro apenas uma imagem. Não uma falsa ou enganosa aparência, mas o próprio ser em sua verdade da troca. A máscara é o que constitui nossa identidade em relação ao outro. Em outros termos, no que é dito, há sempre o que é dito e o que não o é.

Infelizmente um discurso político é, por excelência, o lugar de um jogo de máscaras. Ele jamais pode ser tomado ao pé da letra! Toda palavra pronunciada no campo político deve ser tomada ao mesmo tempo pelo que ela diz e não diz isto fala de degenerescência. Para mim há uma degenerescência do discurso política e necessidade de uma nova ética do conceito política. Penso então: GOVERNO DO JUSTO!

One thought on “As Máscaras, o discurso político e Governo do Justo

  1. É necessario apenas fazer a nossa parte como Igreja e representante do Reino e defender a causa para o bem comum onde toda a sociedade saia ganhando. Palavras, discurso é mesmo que papel, jamais irá questionar que esta sendo inserido. Então tudo se resume em duas teses: Ter Bom Senso e Consciencia. Mas uma coisa é certa, apostolo, todo politico respeita a mídia. Bruno Lima – Manaus – Amazonas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *