UEA faz curso para pastores

“A Escola de Idiomas da Universidade do Amazonas (UEA) está inovando com argumentos e técnicas  velhos. Um dos seus cursos de inglês, com três anos de duração, segundo a coordenadora Olga Bastos, é um curso didático, “mas inovador”: é que as apostilas vão veicular trechos bíblicos como conteúdo e, mais grave ainda, as músicas também serão gospel. Olga Bastos diz que “o objetivo é ajudar missionários, obreiros e pessoas que precisam saber o idioma para atuar em suas obras.” E o contribuinte pensando que o Estado brasileiro é laico.”

Gostaríamos de saber sua opinião sobre esse assunto, por favor deixe seu comentário!

Refletindo sobre o propósito da política segundo a Bíblia

Observe que de acordo com a Bíblia, a política em si é boa porque foi instituída por Deus. O problema é que nem sempre a política é devidamente utilizada. Isso acontece porque nem todos estão aptos para entender o propósito da política. Qual a finalidade da política? Acredito que os teólogos da assembléia de Westminster, Inglaterra (1643-1648), definiram biblicamente o propósito disseram: “Deus, Senhor Supremo, Rei de todo mundo, para a sua glória e para bem público constituiu sobre o povo magistrados civis que lhes são sujeitos, e a este fim, os armou com o poder da espada para defesa e incentivo dos bons e castigo dos malfeitores”. É APENAS UM CONCEITO TEOLÓGICO. Conceito este que é um entendimento de estudioso da bíblia (teólogos) acerca de um conceito geral de política a luz da própria bíblia. Veja nessa declaração que a finalidade da política é dupla: Deus constituiu política para:

1) a Sua própria glória, e

2) o bem público.

Será que este duplo propósito da política está sendo cumprido em termos políticos no Brasil? É evidente que não. Vejamos que na declaração de Westminster as autoridades receberam da parte de Deus o poder da espada para a defesa dos bons e castigo dos maus. Logo: A impunidade desonra a Deus. E em termos políticos no Brasil, desvios de propósitos e impunidade são infelizes marcas que nos identificam. Em suma, apesar das coisas por aqui no Brasil, a Bíblia valoriza a política e os políticos. Em primeiro lugar porque faz parte da própria essência administrativa de Deus e em segundo lugar porque são agentes de Deus. E são agentes políticos de Deus, quer estejam conscientes ou não disto; quer acreditem ou não nisso a fim de governarem com seriedade para que Deus seja glorificado e o povo respeitado. E se assim não for Deus, as leis e o povo os julgarão.

Finalizando: Os reis que governaram sob o temor de Deus e em obediência à Sua Palavra foram bem sucedidos.

Um bom abençoado dia para todos.